quarta-feira, novembro 16, 2011

Hoje não é terça?

Olá pessoal. Com um certo atraso, peço desculpas, escrevo meu texto aqui no blog. Estou muito feliz e, claro, não pode ser pelo Inter. O caso é que neste domingo nasceu minha primeira filha, Iasmim, e passei estes últimos dias (e passarei boa parte dos próximos) num intenso processo de aprendizado, lutando contra  ansiedade e o medo, ao mesmo tempo que tentando curtir ao máximo minha esposa e filha. Em sua primeira noite em casa, só deixou o papai pregar o olho às 5 da manhã. Essa nova, e linda, coloradinha chegou colocando a vida do papai de pernas pro ar!


Por conta disso, só acompanhei de "rabo de olho" o último jogo e o movimento no blog. Uma pena, não é pessoal? Apesar de todos os defeitos do time, esse elenco tem potencial. Se há algo que eu lamento muito e que me entristece, é ver um potencial desperdiçado. E o Inter desperdiça estrutura, torcida, elenco, enfim, tudo.

Este ano está fechando de forma muito melancólica para nós, infelizmente. Quando olho para trás, no início do ano, lembro que víamos no horizonte a reforma da parte demolida da arquibancada e talvez até o término de mais um quarto até o fim do ano. Víamos um time manco, mas com potencial, principalmente se algumas interferências cirúrgicas fossem feitas. Tínhamos a possibilidade do tri da América, de ir novamente para o mundial, de lutar mais preparadamente pelo brasileiro.

Acompanhamos o despertar de um grande jogador (ainda é isso, pois precisa mostrar mais), o Damião. Um alento para uma torcida sem referência no time, sem um jogador que nos convencesse não apenas pela técnica e rendimento, mas pelo comprometimento. O ano prometia, embora estivéssemos desconfiados por conta da derrota no mundial de clubes.

Agora que caminhamos para o fim do ano e enfrentamos as diversas frustrações, torço para que todos, e digo todos mesmo, façam sua auto-avaliação. Diretoria, em primeiro lugar, jogadores e comissão técnica, pessoal do marketing (eu não encontrei a camisa do Damião pra comprar em lugar nenhum!) e, também, a torcida. Que terminemos o ano refletindo, para que 2012 comece mais humilde, com nossos pés mais fincados no chão, sabendo claramente de nossas limitações e virtudes, para que façamos um trabalho correto.

Eu estou feliz. Adoro futebol, mas o Inter não tira mais meu humor (exceto na hora do jogo). E agora, com minha Iasmim, vejo ainda mais claramente o que de fato importa na vida. Mas espero, torço e trabalharei na medida de minhas possibilidades para que o Inter arrume a casa nesse fim de ano, retire a poeira, jogue o lixo fora, e planeje o novo ano.

Não tenho teorias sobre as razões dos nossos fracassos. Acredito que todos nós sabemos mais ou menos os motivos. Mas sei que há um fator que é sempre crucial para o sucesso de qualquer pessoa ou instituição: conhecer a si mesmo, suas virtudes e, principalmente, seus defeitos. 

Esse é o pré-requisito fundamental, sem o qual mesmo a "vontade de um Nei" se torna inútil.

ps.: No início, eu estava até gostando do Dorival. Mas desde o jogo contra o MSI, não entendo mais nada do que ele faz. Me parece completamente perdido e, parece, incapaz.