terça-feira, novembro 24, 2009

A reconciliação (será?)

Todos sabiam que aquela relação havia estremecido de maneira quase irremediável. Ninguém apostaria que seus caminhos pudessem voltar a se cruzar. Contudo, ele sempre aparece, ensinando a quem esquece, o Doutor Destino é foda. E o roteiro, nesse momento, se desenvolve mais ou menos assim:

Fernando vive um romance insípido no centro do país. Às vezes reage, outras, desanima. Nada é como antes. Sempre que perguntado pela ex, responde seco, não quer saber. Visivelmente mal resolvido, não espera que a única fórmula de superação deste doloroso ressentimento esteja descrita com paixão, onde há rancor. É necessário algum fato novo que desperte o ímpeto valente, contudo, inspirado em sentimentos nobres, que ele insiste em negar pra si. Verdade seja dita, o grandalhão sensível só conseguirá dar o troco na elegância.

Glória, embora mantenha a pose, toda vez que tem chance de embalar em nova senda, fraqueja e perde o rumo. Coitada, levou até curva de bêbado, carinha super conhecido na paróquia, o famoso Gambá. E foi difícil, pois a própria heroína, junto com boa parte da população nacional, riu do tombo que o bebum caiu, pra dois anos depois, suportar aquele bafo, em pleno evento na própria casa. Pior que até "o paixão antiga" era convidado, ensaiavam reaproximação, pouco antes da briga final. Tamanha foi a desilusão, que Glorinha inclusive apagou a luz no ponto alto da festa. Chorou no escuro as lembranças de outrora, ouvindo Tim Maia, me dê motivos...

E como há sempre vários coadjuvantes querendo roubar a mesma cena, vamos contextualizar os demais envolvidos.

O auge do amor entre o querido casal se deu quando Fernandão venceu bravamente uma disputa histórica. O rival do momento estava tão certo de que dominaria um continente, que se declarava santo e respondia por Pablo. Mas a bravura do herói prevaleceu. Eram tempos de Glória.

Ainda falta falar de um sujeito popular em todos os cantos, mas que Glória não aceita por completo depois que este assumiu indevidamente autoria de uma canção feita pra ela. Desde o episódio a moça repete:
- Popular de verdade é outra coisa.
Trata-se do Urubu.

Pois bem, quis o Dr. Destino, verdadeiro autor desta novela, que estes personagens tivessem novo encontro e, dessa vez, a musa em vermelho e branco tem toda sua torcida por quem rejeitou. Glória precisa desesperadamente que Fernandão, mais uma vez, derrube San Pablo. Ou o santo pode mandar no país, de fato e sem volta.

Pra completar, no núcleo fauna, se o Gambá matar o Urubu, a protagonista pode iniciar o último capítulo soberana e com grandes chances de viver um final feliz.

Resta saber, Fernandão será capaz de superar a mágoa e lutar outra vez por Glória do Desporto Nacional?
E Glória, saberá reconhecer o mérito de Fernandão?

A seguir, cenas dos próximos capítulos...

E quem matou Odete Roitman?
- Foi a Cássia Kiss.
- Não. Foi o Zveiter, mas ele mandou gravar de novo.