sexta-feira, outubro 16, 2009

Deixa a vida me levar...

Na falta de assuntos futebolísticos do Inter, por conta dos mistérios na escalação do time, treinos secretos, 3.5.2, 4.4.2 e 3.6.1 fica dificil opinar antes dos jogos, que é o nosso perfil, pois comentar depois é muito simplório e mais fácil.

Estamos em outubro e ainda estamos ´testando`, tudo por culpa da falta de planejamento / critério na escalação e compra/venda de jogadores, portanto o Inter é o próprio deixa-a-vida-me-levar... e somos obrigados assistir verdadeiros horrores cometidos pelos intocáveis Indio, Bolivar, dentre outros, sem que perceba qualquer tentativa de melhoria para resolver estas coisas (banquinho prá eles) , além do cansado e arranhado disco intitulado Sem-lateral-direito.

Temos também que aturar o eterno 10zinho, o que nunca está pendurado por amarelo, não é o titular, jogar coisa nenhuma, mas é o mais assíduo no time, só sofreu um ´desconforto` muscular quando da tardia efetivação do Giuliano no time , quando daí ´encaixamos` e o10zinho ficou ´desconfortável` por duas semanas, que por sinal foram de vitórias coloradas. Esperamos que para o Grenal ele fique novamente desconfortável...pois contra o flu, lá estará ele novamente exibindo seu futebol de melhor jogador da Coréia...ou seja jogaremos com 10 !
Por sinal, estes 03 acima citados são adorados pelo Diretor de Futebol.

Enquanto isto, nós conselheiros colorados do Movimento Internet/BV vamos na medida possível, cada vez mais nos inteirando e aprendendo as coisas do futebol brasileiro e particularmente do Inter em todas suas áreas de interesse (futebol, admnistração, marketing, estádio, etc...)

Com autorização verbal do Alexandre Ribeiro - Coordenador do Movimento Internet/BV reproduzimos seu post de hoje no Blog dos Conselheiros Colorados onde relata seu (nosso) encontro com um dos ´papas` estudioso e profundo conhecedor do futebol brasileiro, o Amir Somoggi.

Segue o post no qual onde também se percebe algumas idéias sugeridas / comentadas no BV desde 2005:

Quinta-feira, 15 de Outubro de 2009

Match day e stadium facilities

Ola Colorados

Semana passada, dia 05/10 participei do seminário Sports Market onde várias pessoas ligadas ao esporte expuseram as tendências para o mercado esportivo que será muito impactado com a Copa do Mundo 2014 e agora ainda mais com a confirmação do Rio de Janeiro como sede das Olimpiadas 2016.
Quem mais me chamou atenção foi o consultor Amir Somoggi, que atualmente dirige a divisão de gestão do esporte da Crowe Horwath RCS, sétima maior empresa de auditoria e consultoria do país, que defendeu a aplicação de conceitos de stadium facilities, match day e branding, que sempre foram muito defendidos e trabalhados dentro do movimento INTERnet/BV.

Coincidentemente durante a tarde, recebi um convite do Felipe de Oliveira, coordenador do Movimento Interação para participar de uma palestra com o Amir na mesma noite.

Bom, durante à noite, com um publico reduzido devido a tempestade que se abateu sobre a capital gaucha , porem bem mais interessado do que o publico da manhã, o Amir entrou em detalhes sobre modelos de gestão de grande clubes do mundo e do Brasil e levantou um assunto que há muito tempo vem sendo debatido dentro do movimento INTERnet/BV, da necessidade de aumentar a receita de 'match day' do Internacional.

Como entendo que isso deve ser feito? Através de melhorias continuas nos serviços e produtos oferecidos ao torcedor, valorizando sua presença no estádio, gerando assim uma satisfação do mesmo que é revertida em consumo e consequentemente mais renda ao clube.

Abaixo coloco dados sobre o gasto médio dos torcedores dos principais clubes europeus (que beiram os 33 euros). Trazendo esta realidade para o Brasil, mais especificamente para a nossa casa, o Beira-Rio, quantos reais a torcida colorada consegue gastar em um estádio que oferece como alimentação apenas pastéis, cachorros quentes e refrigerantes em bares mal posicionados e material esportivo em uma loja com as portas voltadas pra fora do estádio e que fecha as portas no meio do jogo?


Tambem coloco abaixo o percentual de ocupação dos estadios dos maiores clubes do Brasil, percentual de 36% no ano de 2008, ainda muito baixo em comparação com os clubes das principais ligas Europeias.


Agora para comparação, coloco os indices de ocupação do Beira-Rio na principal competição nacional, o campeonato brasileiro:

Notem que estamos quase que no mesmo percentual da maioria dos clubes brasileiros (até um pouco abaixo 34%) e isto sendo o clube de ponta em numero de sócios.

O que esta faltando para o Inter levar o seu sócio-torcedor ao estadio, aumentando o percentual de ocupaçao, renda de bilheteria e a renda do 'match day'?

Para mim está claro. Precisamos valorizar o torcedor colorado. Precisamos tratar o torcedor como cliente e não apenas como uma fonte de renda antecipada de bilheteria. Precisamos oferecer ao torcedor colorado serviços e produtos de qualidade, condizentes com a grandeza do Internacional e do complexo Beira Rio. O torcedor não quer entrar em um estádio que tem o tunel de acesso alagado em qualquer chuva, não quer enfrentar um estacionamento caro e enlameado, não quer comer um lanche frio e nem enfrentar filas gigantescas na entrada e na saída do estadio (alguem sabe porque a maioria dos portões da superior ficam fechados na saida dos jogos?)

O torcedor quer ser valorizado.

Teremos uma grande oportunidade pela frente para efetuar estas mudanças com o projeto de reforma do Beira Rio para a copa do mundo 2014. Mas isso passa pela mudanças de conceitos e claro, por trabalhar muito pela implantação dos mesmos.

Fontes utilizadas : Casual Auditores

Alexandre Ribeiro - Conselheiro do Sport Club Internacional



Texto retirado do blog dos Conselheiros Colorados do INTERnetBV



Era isso...

Nelson