terça-feira, janeiro 26, 2010

"Só penso em atacante, atacante!"

Ufa! A revelação do técnico colorado ao repórter Diogo Olivier, no intervalo de um programa esportivo local, revela que Fossati pensa quase igual, muito parecido com a maior parte dos torcedores colorados. Chega a ser chato falar tanto em atacante, mas é o grande desejo da torcida no momento. Ainda mais quando o Vice de Futebol prometeu uma contratação espetacular.

Espetacular, para a torcida, dificilmente vai ser um volante. Primeiro porque volantes espetaculares são raros pela simples natureza da função que desempenham em campo. Volantes não necessariamente precisam ser espetaculares, precisam, isso sim, ser eficientes. Segundo, porque dentre os poucos volantes espetaculares da historia, no futebol mundial, um dos melhores foi justamente um prata da casa colorada, cria do Celeiro de Ases: Falcão! Então, nada mais compreensível que a frustração da torcida quando se soube que o prometido espetacular seria o ilustre desconhecido Wilson Matias. Ainda confio no olho clínico de Fernando Carvalho e esperao que Wilson Matias acabe por se revelar efetivamente um jogador de exceção. Contudo, ainda assim, estou esperando pela contratação espetacular, mais especificamente, um centroavante espetacular!

Sóbis, pelo que se noticia, não vem mais. É uma pena, mas fico ainda com a expectativa de que, se efetivamente vinha sendo tentado, ainda possamos trazer um atacante ainda melhor. Sóbis é da casa, tem currículo e identificação. Mas vem de lesão e de um futebol semiprofissional. Ele foi espetacular no Morumbi em 2006, mas eu quero ainda mais. Estou mal acostumado? Talvez, mas não vou me sentir culpado por querer um Inter que imponha medo aos adversários no simples anunciar da sua escalação.

Assim como o Louis postou há pouco, também deposito grandes esperanças no técnico colorado. Venho reiterando isso nas últimas semanas. Infelizmente, mas nem poderia ser diferente, por ora só podemos basear nossas expectativas em meras impressões. Não dá para querer tirar conclusões absolutas com base no Gauchão e o próprio Fossati é enfático a este respeito ao afirmar que mesmo que os titulares apliquem goleada no Juventude, ele não vai se impressionar. O técnico uruguaio sabe que o Gauchão não serve de parâmetro para quase nada. Segundo relata Diogo Olivier, Fossati chegou a concordar que trata-se de um campeonato bom para ver o que não serve. O resto, só mais adiante.

Então me tranqüilizo quando leio que poucos, talvez até nenhum dos jogadores do time B serão relacionados para a Libertadores. Os adversários do Inter no Gauchão até agora foram muito fracos e qualquer análise mais entusiasmada fica comprometida.

Sou um defensor ferrenho do aproveitamento dos valores surgidos nas categorias de base, mas justamente por isso acho temerário “queimar” jovens promessas, impondo a eles o peso de desempenharem funções de extrema relevância, como comandar o ataque de um time que se apresenta como candidato ao título da Libertadores.

É por isso que mantenho minhas cobranças dirigidas à Vice Presidência de Futebol do clube. Como relatei acima, continuo confiando no olho clínico de alguns de nossos dirigentes e as declarações do técnico me mostram indícios de que ainda teremos ao menos um grande valor técnico agregado ao time este ano. Vamos aguardar a virada do mês e o encerramento da janela de transferências de jogadores para a Europa.

Eu, aqui, tô secando um camisa 9 de um outro time para que não saia do Brasil de jeito nenhum antes de agosto. Quem sabe, assim, as coisas se tornem mais fáceis para que um centroavante espetacular, de verdade, jogue no Beira-Rio, logo depois do carnaval. Não preciso nem dizer quem é, mas me tranqüiliza saber que o nome dele vem sendo comentado lá pelas bandas da Padre Cacique.