terça-feira, maio 04, 2010

Preparador Fisico

Tirem suas proprias conclusões...entrevista do Preparador Fisico do Inter pra Zero Hora...tem que fazer esses jogadores começarem a trabalhar pelo salario!

Eu vi uns 2 treinos enquanto estive no Brasil e o cara fez eles trabalharem pra burro, pesado mesmo, então não acho que a culpa seja dele...acho que é do POUCO TEMPO de Treino, 1 turno e ainda de tarde e a vida notunra de jogadores. Como já falei atletas não podem viver desse jeito, roqueiros sim, ATLETAS, não.
__________
É o próprio Alejandro Valenzuela, o preparador físico do Inter, quem admite: o time tem caído de rendimento no segundo tempo. Aos 45 anos, o profissional, que acompanha Jorge Fossati há quase duas décadas, revela seu desapontamento com a resistência dos jogadores em aceitar e entender o trabalho no Beira-Rio. Valenzuela se queixa de que muitos deles não levam a sério a sua forma de aplicar a atividade diária.

Confira os principais trechos da entrevista:

Zero Hora — O Inter está cansando no segundo tempo?

Alejandro Valenzuela — Sim, nos últimos jogos o time tem caído no segundo tempo. A equipe corre a 140km/h no primeiro tempo e gasta mais nafta (combustível). No segundo, a velocidade baixa para 100km/h. Além disso, pegamos um Grêmio bem preparado e mais descansado.

ZH — Por quê?

Valenzuela — Estamos jogando duas decisões por semana desde o dia 18 de abril. E a preparação não está homogênea. Por exemplo: Sandro e Giuliano cansaram no segundo tempo do Gre-Nal. Giuliano estava ansioso para jogar, queria ganhar de qualquer jeito. Sandro vem de um desgaste grande. Eller e Walter tiveram paradas nessa temporada.

ZH — Mas, no futebol, é comum jogar às quartas e aos domingos.

Valenzuela — (suspiros) Muitas vezes o jogador não interpreta o treino que eu dou como trabalho físico. O Guiñazu compreende bem isso, trabalha com afinco até ficar esgotado. Quando a produção começa a cair, paramos o treino, encerramos o dia para não passar do ponto. Sinto que falta esta consciência para alguns, que não se esforçam. Acho que ainda não entenderam que eu e Fossati trabalhamos a tática e o físico juntos.

ZH — O senhor se refere ao problema de falar espanhol?

Valenzuela — Não sei se é só isso. Eu falo e, quando olho para eles, sinto que não entendem 50% ou 60% do que digo. Mas pode ser algo cultural também. Como o brasileiro tem muita técnica, ele acha que não precisa se esforçar tanto, se dedicar ao máximo aos treinos, como eu gostaria.

ZH — Mas isso não pode ser exigido dos jogadores? Uma dedicação maior?

Valenzuela — (suspiros) Estou chateado. Não consegui fazer com que os jogadores acreditassem no meu trabalho. Comprassem a ideia. Só sei que a parte psíquica, com a qual eu sempre trabalhei, a parte motivacional, não foi entendida até agora. Trabalhei em diversos países, e até no Catar. Eles falam árabe. Lá, treinava com um tradutor ao meu lado. Eu era totalmente compreendido. No Catar, me entende?

ZH — E para quinta-feira, como estará o pulmão do time?

Valenzuela — Nosso trabalho foi dividido em duas etapas. Uma espécie de Apertura e Clausura. A primeira fase vai até 6 de junho, antes da parada para a Copa. Devemos atingir o pico da preparação física no jogo contra o Banfield. Como a partida será na quinta-feira, ganhamos um dia.

ZH — Um dia faz tanta diferença assim?


Valenzuela — Já mudará as coisas. Até porque dormir e descansar é fundamental para a recuperação. O futebol gaúcho exige muito mais da parte física do jogador do que o carioca, por exemplo.