quinta-feira, junho 02, 2011

Como vencer o Barcelona?

Estamos com um jogo contra o Barça "à vista". Este é um time desses que ficará na história, sem dúvida. Messi é genial. Talvez não consiga ser tão grande quanto um Maradona, pois parece ser menos "líder" e ainda conta com uma fase horrível da seleção argentina e sem título mundial é difícil um jogador se alçar na história. Mesmo assim, se continuar num nível semelhante por mais uns 5 anos, Messi entra pra mim no hall dos 5 ou 10 melhores de todos os tempos. Diante disso e da vitória incontestável do Barcelona sobre dois times muito fortes, como Real Madrid e MUnited (aliás, com um "la boba" do Messi, no terceiro gol, não foi?), vem a pergunta: como vencer esse time? Isso nos interessa, já que estamos há dois meses do jogo com eles.

Não vejo segredo no jogo do Barcelona. O sistema é simples: baseia-se numa ideia de compactação, com movimento contínuo. Isso garante a posse de bola, o que é muito importante, mas não a vitória sempre. Para isso, é preciso (pelo menos) um jogador rápido e habilidoso, no caso, o Messi. Por conta dessa combinação perfeita, o Barcelona se torna quase imbatível, pois não cede a posse ao outro time e quando o jogo está endurecido, uma jogada individual do Messi desequilibra. Mas não só isso: todos os jogadores do meio pra frente finalizam bem a gol e por isso a marcação não pode se concentrar num ou noutro. Mas voltemos ao sistema de jogo. Vejam os lances abaixo, atentos à proximidade dos jogadores e em como se movimentam, nunca dando as costas pra quem tá com a bola e sempre aparecendo pra receber:


Os jogadores evitam prender a bola, mesmo quando estão livres. Nestes casos eles fazem 1-2, só pra deixar a bola em movimento. O efeito disso? Os marcadores cansam, pois não chegam a tempo no jogador com a bola. Não tem erro. Quando a marcação está pressão, bastam 3 ou 4 passes de primeira, pros adversários desistirem de pressionar e começar a marcar em zona. Claro, ninguém gosta de ser bobinho. Pra manter a possa de bola é preciso tocar rápido e curto (o que diminui erros). Daí a compactação, com os jogadores sempre voltados para quem está com a bola e se movimentando para dar opção. E nem precisa correr pra isso. Andar muitas vezes já basta (como o Barça faz e por isso os caras mantém o ritmo o jogo todo). Só não pode ficar parado, se esconder ou virar as costas pra quem tá com a bola (alguma semelhança com o Inter, nesse ponto?).

Pra vencer um sistema assim é necessário, primeiro, jogar igual. Equilibrar a posse de bola, para que os caras se cansem também, tendo que marcar. Sem isso, um time aguenta metade do primeiro tempo (marcando sob pressão) e depois acaba, não tem jeito. Portanto, quando tomar a bola é preciso mantê-la usando o mesmo expediente: toques rápidos e curtos. Mas como tomar a bola? No caso do Barça, defendo uma marcação mista: é preciso marcar todos os homens do meio pra frente, homem a homem. Supondo que fiquem 3 jogadores do Barça mais atrás (zaga e lateral esquerdo), deixa um jogador habilidoso para um possível contra-ataque no meio deles, sobrando 2 jogadores livres para ajudar na marcação na intermediária, chegando como um segundo homem onde a bola estiver.

É possível grudar nos jogadores do Barça, pois eles não correm o tempo todo. Marcar esse time somente em zona é morte certa, pois o Barça vai ficar trocando passes até achar uma brecha. Mas novamente: se marcar em cima, tomar, mas não reter a bola, não adianta. O que o Barcelona faz hoje é um grande "bobinho". Além disso, sabem bem quando acelerar e verticalizar o jogo: depois de alguns toques seguidos, quando percebem que os adversários desistiram de correr atrás, eles aceleram e verticalizam os passes, aproveitando da "baixada de guarda". É um jogo inteligente, estratégico. Portanto, só pode ser enfrentado no mesmo nível. Outro benefício desse tipo de jogo do Barcelona é facilitar para jogadores medianos como o Puyol (pelo jeito dele tocar na bola, ele seria chamado de naba aqui no Inter, hehehe). Com toques curtos e tendo 2 ou mais opções por perto, os jogadores não são exigidos e jogam com calma e confiança.

Talvez seja otimismo demais, mas não vejo porque nosso time não seja capaz de jogar assim. Quem sabe em 2 meses o Falcão não acerta a mão? Apesar dos grandes elencos europeus, eu ainda acredito muito na força do futebol brasileiro. Uma equipe brasileira bem armada costuma fazer os europeus piarem fino...

ps.: Tá bem, agora eu levanto da cama e vou trabalhar. Acabou o sonho... ;-)