quarta-feira, junho 29, 2011

Esperanças renovas e base

Eu andei sofrendo nas últimas semanas. Não pensem que envolve o Inter em si. Na verdade, inclua um pouco desse sofrimento na conta do Inter mesmo. Mas o meu problema maior foi eu ter sido chamado para escrever nas quartas feiras. Para mim tudo bem, até a hora em que o Inter começa a jogar somente em finais de semana.

Eu então fiquei com a missão de comentar bem no meio tempo entre os jogos. Ou seja, todos os comentários possíveis sobre o jogo passado já foram feitos, e todos os comentários feitos para o próximo jogo são pura especulação. Fiquei limitado. Mas amanhã tudo volta a sua ordem.

O Inter joga contra o Atlético MG, que no último jogo tomou uma sacolada de gols. Isso quer dizer duas coisas: a primeira é que o time deles não deve ser tão bom. E a outra é que eles devem estar com sangue nos olhos para reverter essa situação. O Inter depois de fazer uma sacolada de gols, contra um time que vinha em boa fase. Outras duas coisas: o time do Inter vem motivado para manter o ritmo, e ao mesmo tempo, vem faceiro.

Mas não tem como não ficar faceiro. O time foi muito bem, e finalmente dentro de casa. Todos responderam, no mínimo, na média. Claro que não quer dizer que todos são titulares. Continuo pegando no pé de Bolívar e Tinga. Mas até os jovens, como Gilberto, fizeram alguma coisa. Precisamos investir mais nesses jogadores garotos. Remontar o nosso alicerce é o mais importante, quando os nossos titulares absolutos já estão ficando velhos, ou indo embora.

Torço para que se mantenha o mesmo time lá em Minas. Essas pequenas substituições devem ser feitas em tempo de uns 3 jogos. E deve-se dar um tempo fixo para os jogadores. Não tirá-los de primeira, depois de uma partida ruim. Quem se lembra da época em que era impossível decorar o time do Inter? Quem se lembra de algo positivo vindo dessa época?

1x0, 2x0, resultados que eu não ficaria nem um pouco triste em ver na Ilha do Jacaré. Precisamos recuperar os pontos que perdemos de bobeira. O time já estava jogando bem fora de casa. Goleou em casa. Se continuar vencendo todas, não importando o terreno, vamos longe.