quinta-feira, junho 30, 2011

Embalaremos?

Depois de uma bela atuação diante do nem tão bobo Figueirense, atual 4º colocado no Brasileirão e que ontem venceu o Santos, chega o momento de mais uma partida. Enfrentar o Atlético-MG em seus domínios nunca foi tarefa fácil. Mas, diante da motivação (não confundir com o velho salto alto, o qual o atual grupo e grande parte da torcida estavam montados) pelo desempenho na rodada passada e a manutenção do mesmo time que goleou os catarinas, as circunstâncias são boas para que o colorado emplaque mais um resultado positivo. Será que agora vai?

Trata-se do último jogo de Oscar e Juan, antes da apresentação na Seleção Sub-20, o que considero injusto, já que estas seleções de base nada acrescentam para os clubes, a não ser deixar as jovens promessas do futebol mais próximas de olheiros e olhos grandes de times europeus. Portanto, #chupacbf!

Oscar está jogando muita bola e sua ausência será grande. Juan é um bom zagueiro e também fará muita falta, pois a defesa é o setor mais carente do Inter no momento.

Mas voltando ao título do post. Eu sempre confiei no trabalho do F5, e acredito que o que falta para muitos destes jogadores é um puxão de orelhas. Motivação já tem de sobra com a boa grana que recebem mensalmente, então falta isso mesmo ou vergonha na cara.

Se o time correr como fez no domingo, se F5 conseguir colocar em prática o discurso de sua chegada, de colocar a compactação, esta que vimos contra o Figueira, as coisas começarão a ficar boas para o Colorado. Claro, não será possível vencer todas nem jogar da mesma forma sempre pois, vale a máxima que do outro lado tem outro time, com esquema, jogadores e motivos diferentes querendo vencer da mesma forma.

Mas o caminho para o tetra, de fato, foi aberto na partida diante do Figueirense. As cornetas foram guardadas, pelo menos nestes últimos dias e as beatas foram renascendo, assim como a esperança em muitos torcedores. O jogo de hoje ainda não é um divisor de águas, pois a tabela está sendo favorável ao Inter. Ainda não pegamos times fortes, como o São Paulo, gambazada e até mesmo o Flamengo. Mas também já enfrentamos “cascudos”, como adora falar o ex-comandante gazelês, Renato Carioca, como Santos e Palmeiras. Uma vitória hoje em Minas e pulamos para as cabeças, a quatro pontos do líder e, repito, renovará nossas esperanças.