quarta-feira, julho 20, 2011

Nova nuvem negra

O que realmente faz diferença quando se escreve um texto é a organização das idéias. Acho que junto com a máxima de escrever frases curtas, são as duas regras mais importantes. Um texto só é bom quando ele é bem organizado e pontuado. É sempre bom planejar antes de escrever, para que saia tudo de súbito. Mas hoje vai ser difícil.

Vai ser difícil porque a indignação confunde. Misturada com raiva, com mais indignação. Então me perdoem caso o texto fique muito misturado e pouco claro. São muitas coisas para dizer e na minha cabeça tudo tem o mesmo peso. Ainda mais sabendo que todos já disseram tudo sobre essa mais nova nuvem negra.

Segunda feira caiu por terra todo um clube com apenas um ato. E é tudo picuinha. Sem contar que, pelo visto, a maioria, ou toda a torcida, não fazia nem idéia dessas briguinhas. Pelo menos eu não sabia que o Siegmann não se dava com o Luigi. E também não sabia que o Falcão estava sendo segurado por uma das pontas.

E o pior: Falcão saiu sendo culpado por algo que ele tinha avisado. Não sei se deu para entender. Mas ele avisou sobre o elenco, muito antes de qualquer um, a imprensa metralhou ele e no fim o Inter começou a perder justamente por não ter elenco. Em que mundo isso faz algum sentido?

Falta muito sentido nisso tudo. Em que mundo o presidente e o vice não se dão bem? Comos eles podem estar juntos? À força? O que eu quero dizer é que foram os próprios políticos, afim de vencer a eleição, colocaram dois políticos que não se dão bem, para liderar. Tudo bem, venceram, mas e o que viria a seguir? Não pensaram nisso?

Agora, em seis meses, o Inter é um time sem elenco (o desmantelamento - não sei se essa palavra existe - do elenco já vinha acontecendo faz tempo, até ficar bem claro agora), sem técnico, um 'diretor técnico' (sabe se lá que posto é esse) que só veio para trocar um ídolo por outro e ver se a torcida se acalmava um pouco, e um vice presidente que, agora, podemos saber que concorda com o presidente. Porém, como podemos ver, o presidente tem um grande problema: ele é doido. E ninguém irá pará-lo agora.

Ou seja, é o samba do crioulo doido. Eu não quis cornetiar o Fernandão. Foi muito boa a vinda dele. Mas ele não precisava entrar como um ídolo no lugar de outro. Ele poderia agregar Falcão. Imagina o ânimo da torcida. Satisfaria os torcidas velhos e os novos, os dois trocariam idéias. Não foi possível.

Essa crise me lembra a que o Boca sofreu (está sofrendo). Depois de um ápice, um momento de muita glória na sua história, veio uma queda equivalente. Até hoje o Boca vem mal das pernas. E se acontece o mesmo com o Inter? Tudo por causa de direções que não souberam lidar com a vitória? Ou até souberam, mas não quiseram. Prefiraram comemorar do que trabalhar.

Eu ia dizer 'vamos torcer'. Sempre faço isso no final de vários textos, mas é que nós precisamos fazer mais. Precisamos gritar, protestar. Mostrar alguma indignação. Não é assim que se dirige um clube. Luigi não representa o clube, a instituição. Precisamos mostrar indignação. Depois de ver o Nei dizer que 'não joga para a torcida' eu vi como o futebol está errado. O futebol gira em torno da torcida. A torcida faz o futebol. E devemos fazer eles se lembrarem disso. Todos, façam o que quiserem. Mas não deixem de fazer. Digam que está tudo errado.

Escrevi demais, não sei se alguém realmente vai ler isso. Desabafei, pelo menos.