terça-feira, julho 19, 2011

Manticore Ataca

Existe um anônimo que raramente aparece por aqui (só postou comentario umas 4 vezes) chamado Manticore. Tudo indica que esse cara sabe muitas coisas internas OU pensa que sabe. Não sei se é alguem da imprensa, do Conselho, da diretoria, rival politico, o Guinazu ou algum torcedor com uma baita imaginação. Mas os raros textos do Manticore são no minimo interesantes de ler. Não sei se são verdades ou Ficção. Fica pra vocês decidirem. Esse é o texto que ele largou aqui hoje nos comentários:

(PS a competição para novo colunista começará com atraso de alguns dias por causa dos ultimos acontecimentos...)

Texto do "Manticore":

Organograma do SCI

Eminência Parda

Vitório Piffero

Giovanni Luigi (laranja)


Luís Anápio Gomes de Oliveira Jorge Avancini

Emídio Odósio Perondi Jorge Melo
Luciano Davi

As aparências enganam.

A demissão mais que técnica, foi política.

Siegmann e falcão queriam restruturar o Internacional, começando com a auditoria proposta para levantar a dívida existente, quando a ABS Certificadora venho certificar o inter com a iso 9001, descobriu-se um rombo de mais de 50 milhões de reais nas contas internas, informação esta que não podia vir a tona para não complicar alguns nomes envolvidos.

Siegmann, e aqui não falo de competência e sim de decência, viu o que estava acontecendo e resolveu intervir, primeiramente eliminando o Inter B e alguns jogadores da folha salarial do clube. Indo contra a cúpula administrativa verdadeira do Inter e fonte de renda de outros.

Tudo começou para falcão, e não falo novamente de competência, e sim de carater.....no boicote de alguns jogadores dentro do vestiário, quando falcão apresentou uma lista de dispensa para a diretoria e siegmann aprovou.entre estes nomes se encontrava o de Bolívar, principal interlocutor da eminência parda,e de onde veio a ordem “por enquanto Bolívar não sai”. O vestiário tem 04 lideranças, são 03 perniciosas: Bolívar, dale e kleber e 01 neutra: tinga.

A questão se tornou emblemática, pois politicamente benfeitorias estavam sendo perdidas pela cúpula e as dificuldades começaram a ser estendidas ao vestiário e ao desempenho de alguns jogadores que aconselhados por uma entidade superior resolveram minar a questão técnica para que não se estendesse e descobrisse os problemas financeiros e políticos, como por exemplo a uma cláusula contratual, no ctt do Celso Roth, que diz que assim que ele arrumar outro emprego, para de receber do inter.

Siegman queria implementar a longo prazo, um novo ideal ao clube, uma nova política financeira e contratual, começando pela auditoria que ele gostaria de realizar,mas, havia resistência entre os outros setores, dificultando sua independência e propostas sugeridas.
Para mim, siegman era o exército de um homem só, onde sua ode quixotesca não encontra lugar no atual cenário futebolístico.

Siegmann pensou em 1º lugar no inter e não em si, não se deixou influenciar pelo meio em que se encontrava, meio este que usou falcão para atingir aquele que realmente era a fonte de problemas “políticos”.

Por isso, o laranja não investiu na equipe, não deu suporte as suas decisões e suas declarações eram conflitantes.

“se vc não quer que seu adversário atinja um fim, lhe retire os meios”
Agora é uma questão de tempo para que sonda e seus fiéis escuderos retornem.
Além da reunião da eminência parda com o Kia, no dia 28/05 estar rendendo frutos a partir de agora.

“Diga-me com quem andas e te direis quem és.”.