terça-feira, setembro 27, 2011

Ah, as mudanças...

O Inter vive um momento parecido com o meu atualmente. Mudei de endereço, depois resolvi mudar de novo, agora de cidade. No trabalho, que é uma pesquisa de doutorado, estou tendo que dedicar entre 8 e 10 horas diárias. No meio disso, tenho que encaixar a organização da mudança, que envolve vender móveis e eletrodomésticos, doar um monte de coisa que não vale a pena guardar ou enviar pro novo endereço, embalar (e bem!) e encaixotar o resto. Caraca, é fogo. Aí, parece que a gente entra numa espécie de “piloto automático”, que vai fazendo o que tem que fazer, mas sem pensar muito, pois não sobra tempo e é muita coisa pra se pensar. O resultado disso, é que não consigo ter uma percepção exata do que está acontecendo. O que me acalma é saber que uma hora as coisas entram nos eixos novamente, a vida volta a um ritmo mais normal.



Pois é assim que vejo o Inter, neste momento. Estamos numa espécie de piloto automático, não compreendemos exatamente o momento, não temos uma visão clara do elenco, das potencialidades, das promessas futuras, etc. Não conhecemos bem a comissão técnica, nem o pensamento do técnico. O time nem engrena, nem desanda de vez, oscilando bastante. Mesmo a contusão do Damião, parece coisa de amador, da parte da comissão técnica, afinal tava na cara. Enfim, bobeiras de quem não está muito atento. A questão do estádio também não termina. A poeira baixou na direção, não vemos mais o Carvalho (publicamente) e o Bolívar está na reserva. Enfim, estamos numa transição, seja lá qual for. Espero que seja pra melhor e até acredito que será.

Enquanto isso, vou torcendo pelo menos para uma vaga na libertadores, que temos todas as condições de conseguir, precisamos apenas fazer o feijão com arroz. Eu realmente adoraria pagar a cerva para o João Gabriel, caso o Inter pegue o G4 – mas acho que terá que ser ano que vem, João, pois estarei mais longe daí. :-) … Pra terminar, já que o pessoal diz que aqui é “blog de futebol” (como se tudo que a gente discute aqui não fosse), vou dar umas opiniões sobre o time:

Dale: não adianta ficar nervoso com ele, pessoal (eu já fiquei, tbm). É o coração do time e ponto final. Só precisamos entender uma coisa: Dale só aguenta dois jogos seguidos em intervalos curtos, daí tem que folgar um. Como a comissão ainda não percebeu isso, eu não sei. Podiam me contratar! Hahaha... Mas sério, ele se cansa e apanha demais. Com um jogo por semana, ele certamente vai render mais e ainda o vejo com fome de títulos.

Kléber: é muito técnico, mas é preguiçoso demais. Além disso, já passou do ápice físico. Termina o ano com ele e depois libera. Enquanto isso, deveriam fazer um trabalho especial com o Fabrício e o Zé Mário, já preparando os dois para o ano vem. O mesmo vale para o Alisson, embora eu acredite no Nei.

Bolatti: também espero a pré-temporada para fazerem um trabalho específico com ele. Velocidade e posicionamento, principalmente este último. É um jogador que vale a pena investir, pois tem uma boa técnica e é alto. Não sei, mas algo me diz que deveriam investir numa parceria dele com Sandro Silva.

Guina: adoro ele, mas já falei há tempos e repito: tem que preparar alguém pra substituí-lo. Quero Guina no elenco, mas no banco. Ele seria um ótimo reserva, mas precisamos de alguém com maior consciência tática e principalmente melhor chute a gol. Um time que quer alguma coisa, precisa que todo jogador do meio pra frente seja capaz de finalizar com alguma qualidade.

Jô/Delatorre: manda ambos para o Ortiz. O reserva atual deveria ser o Gilberto, há tempos. Neste caso é certeza que há interesses empresariais em jogo, infelizmente. Vejo ambos com bons olhos, mas precisam de trabalho específico, voltando na pré-temporada.

Zé Roberto: vinha bem e merece ser testado novamente. Mas gostaria também de ver o Siloé. Pode até não vingar, mas lembro do quanto eu desconfiava do Taison e fico pensando se o raio não cairia duas vezes no mesmo lugar!

Bolívar: esse merece ser sempre lembrado. Eu não me incomodo de tê-lo como reserva, se não der trabalho (sabotagem) e não for caro. Acho até um luxo. Não vai ser perfeito, mas pode ser muito valioso em muitos momentos, pela experiência.

Dispensas na passagem do ano: Sorondo, Glaidson, Tinga, Matias e Renan, pelo menos.