terça-feira, outubro 19, 2010

Mais um Tijolo

Este post não é sobre a reforma do Beira-Rio. O título é apenas uma metáfora. Afinal, nada melhor que a construção do nosso Gigante de concreto para ilustrar a história do Clube do Povo. Pois é em cima disso a minha reflexão.

O último post do Felipe W propôs também uma reflexão: "Inter sem Carvalho". É um tema permanente, especialmente a partir de 2007, quando Fernando Carvalho afastou-se no início da gestão de Píffero, com Luigi no futebol. O próprio Louis, várias vezes questionou aqui se somos dependentes do dirigente mais vencedor da história do clube. E, é claro, é sempre um tema pra lá de polêmico.

Recentemente recebi essa mesma indagação sobre o futuro do Inter sem seu atual Vice de Futebol na Gestão. E respondi que nós, colorado, temos duas alternativas. Nos ajoelharmos em direção ao Beira-Rio esperando pelo surgimento de um novo dirigente iluminado e vencedor, ou trabalharmos para tornar o solo às margens do Guaíba um terreno fértil para o surgimento constante de novos dirigentes vocacionados aos grandes títulos.

Sem a menor pretensão de ser mais ou melhor que ninguém, e até mesmo contando com os ensinamentos e a experiência de quem lá está, venho tomando parte ativa de um projeto que tem por objetivo ajudar a manter o Inter sempre entre os melhores. Esse envolvimento é, hoje, o meu tijolo no Beira-Rio. A minha pequena contribuição para este clube de tantas vitórias em mais de cem anos de exitência. Pois estamos recém iniciando nosso segundo século de vida, e é preciso pensar no futuro. É pensando nisso que faço parte do Convergência Colorada, que recentemente lançou Chapa própria para as eleições presidenciais do Inter.

"Reunidos em seu comitê central, em Porto Alegre, os integrantes do projeto Convergência Colorada decidiram nesta quinta-feira, 14 de outubro, lançar uma chapa independente para as eleições à presidência do Sport Club Internacional. Os conselheiros Sandro Farias e Arthur Caleffi serão os representantes do Convergência Colorada que, respectivamente, postularão os cargos de presidente e 1º vice-presidente do Internacional no pleito que será realizado em dezembro deste ano. O cargo de 2º vice-presidente será preenchido em breve.

O lançamento de uma candidatura própria atende a dois compromissos fundamentais do projeto Convergência Colorada. O primeiro deles é assegurar ao torcedor colorado o direito de escolher o presidente do clube pelo voto direto, evitando que a decisão fique circunscrita ao Conselho Deliberativo. O segundo é levar para o debate eleitoral um assunto cada vez mais crítico para o Internacional: a necessidade de profissionalizar sua gestão.

Bicampeão da América, dono do maior quadro de sócios do país e de um potencial imensurável de crescimento, o Internacional precisa passar por uma renovação de estrutura organizacional para se manter competitivo no futuro.

Essa reestruturação consiste em alinhar o clube às melhores práticas de administração e governança corporativa vigentes nos grandes clubes europeus – práticas estas que podem maximizar os resultados do clube não só no futebol, mas também em atividades-meio como marketing, publicidade, gestão de patrimônio e vendas de outros serviços altamente promissores no mercado esportivo.

Os candidatos escolhidos pelo projeto Convergência Colorada acreditam que, dessa forma, o Internacional terá condições de reduzir sua grande dependência financeira em relação às receitas oriundas da venda de atletas do futebol profissional. Hoje, é o futebol que sustenta o restante do clube. No futuro, conforme os ideais de Sandro Farias e Arthur Caleffi, o clube terá condições de sustentar seu futebol, mantendo-se competitivo no decorrer das grandes competições nacionais e internacionais. Mais do que isso, o Internacional se tornará uma organização de excelência, capaz de maximizar suas fontes de receitas, minimizar custos e crescer mais do que todos os outros clubes do país, mantendo uma relação sólida e transparente com seu principal acionista – o torcedor."

www.convergenciacolorada.com.br