terça-feira, fevereiro 08, 2011

O Próximo Jogo

Vencer o próximo jogo, essa deveria ser a prioridade de um time, sempre!

Eu compreendo as implicações do término tardio das atividades do Inter em 2010 e do seu retorno aos campos somente no final de janeiro. Eu compreendo a necessidade de se usar o time B em alguns jogos e a eventualidade de se poupar titulares em algumas circunstâncias. Mas independentemente disso, a regra, a lei, o dogma de um vestiário deveria ser sempre esse: vencer o próximo jogo.

Digo isso porque não aguento mais ouvir repetidas vezes por jogadores, treinadores e dirigentes, as desculpas prévias e posteriores para insucessos que parecem ser programados involuntariamente pelo subconsciente coletivo. "Estamos só treinando", "Esta competição é para pegar ritmo", " O resultado não é o mais importante", são declarações que se repetem anos a fio e começam a se incrustrar nas paredes de um vestiário de modo que não há reforma que os afastem de lá a curto prazo. E isso, a meu juízo, deve de imediato mudar.

Um time campeão precisa ter gana de vencer até disputa de cara ou coroa. Uma derrota não pode ser minimizada, ainda que, de fato, não traga maiores repercussões a longo prazo. Mas o espírito de um grupo de jogadores deve ser sempre o de buscar a vitória, seja no Beira-Rio, seja na caixa prego.

Não devemos temer a decepção da derrota. Sempre afirmei que o pessimista é aquele que teme de tal modo o fracasso que o antecipa em suaves prestações. O medo da deceção é tamanho, que ele sequer aproveita a expectativa do sucesso e, por conequência, acaba chamando a derrota.

Aquele que deseja, venera, procura a vitória a cada partida, e vibra intensamente com a mera possibilidade de ganhar, está em constante e ininterrupta caminhada para a glória. E esse é o caminho a ser percorrido pelas equipes vencedoras.

Sei que futebol não contempla regras prontas ou receitas infalíveis. Sei que é possível vencer quando menos se espera, mas também não posso me esquecer de que, do mesmo modo, os tropeços mais inesperados chegarão. Por isso acredito que devo venerar as vitórias, sejam elas contra quem for. E devo buscá-las, persegui-las, obstinadamente, a cada dia, a cada jogo.

O próximo jogo: eis a minha prioridade absoluta!