quarta-feira, agosto 03, 2011

Jô e custo-benefício

Eu realmente não sabia o que escrever na coluna de hoje. E fui fazendo o que sei de melhorar: procrastinando eu sentir que só me restam 10 minutos. Então, eu abri o Globoesporte e eu acabei vendo que o Jô está sem ritmo de jogo e por isso não vai ser relacionado nesse próximo jogo. Esse, até eu acho que não, é o melhor gancho para a coluna, mas não é a primeira vez que isso acontece. E eu sempre fico puto com isso.

Primeira porque me gera aquele questionamento: se o cara tá sem ritmo de jogo, ele não tava jogando. Então, como sabem que ele é bom? Vendo os vídeos dele que estão no Youtube, do tempo que (no caso, o Jô) jogava no Corinthians?

Outra, isso gera aquela desculpa que ele pode usar durante um bom tempo. Aí ele fica um tempo em Porto Alegre, sem fazer nada, ganhando bem e acaba se acomodando. Como já aconteceram várias vezes. Eu não quero e nem tento amaldiçoar ou cornetiar o homem com incríveis 0 partidas por aqui, mas isso não é um bom começo. E temos exemplos de outros atacantes grandes que chegaram e foram, como Cavenaghi e Edu.

O Inter tem que começar a pensar nisso e fazer o custo-benefício dos jogadores valerem a pena.