quinta-feira, agosto 11, 2011

Questionamentos à direção

O sucesso e a pilha de títulos conquistados nos últimos anos estão afetando a direção do Inter? Nem vou comentar a respeito de jogadores, pois deles a coisa é mais escancarada. Uns já tiveram seu tempo e outros nem deviam vestir a camisa do Inter. E de quem é a culpa disso? Da direção. Única e exclusivamente.

Será que a ascenção do Inter também subiu para a cabeça da direção? Sim, e o mesmo vale para a torcida. Mas a maioria esmagadora da coloradagem está de acordo que a situação não está fácil. Sem terra arrasada, claro. Mas se a direção pensasse em prol da instituição Sport Club Internacional, pensasse nos sócios que pagam suas mensalidades e em todos os milhões de torcedores do time, teriam mudado as coisas, mas mudado de verdade, depois do fatídico 14 de dezembro de 2010.

Porque manter o Roth no cargo? Porque não dispensar as nabas que ainda hoje estao sugando salários astronômicos e exibindo um futebol ridículo? Porque pagar tantos micos em contratações absurdas? Porque dispensar um treinador que estava, aos poucos, lapidando o rodado, velho e desinteressado grupo de jogadores que compõe o elenco colorado. Porque tanto tempo sem técnico. Porque tanto mistério? Porque mais volantes e não um zagueiro?

Os questionamentos são muitos e as respostas concretas, convincentes, quase zero. Tem empresário que escala jogador. E mais: tem alguém levando algum por fora nisso. É isso o que dá a entender.

A indignação é grande. O sentimento da torcida é este, somado a algo que beira o desânimo, a descrença numa direção que vem numa escala decadente, apesar de mudar algumas poucas figurinhas no álbum.

Antesa da reformulação do grupo, o melhor seria anunciar de uma vez o novo treinador. Que não seja um cagão que jogue com apenas um atacante. Que seja um cara que traga mecânica de jogo, focado em questões táticas, mas que não deixe de lado, jamais, o espírito peleador das últimas conquistas e a técnica refinada dos anos 70. Um treinador que entenda de futebol e que não seja um baba-ovo da direção. Que olhe pelo time. E por nós, imensa nação colorada, algo que esta direção não está fazendo.

Recopa
Acredito na virada nesta Recopa. O time do Independiente não é grande coisa e dentro do Beira-Rio, que tenho certeza, estará lotado e rugindo, como em 2006 no título da Libertadores e em 2007, na conquista da Recopa, o bicho vai pegar para cima dos argentinos. Se o Nei conseguiu fazer aquilo com o Milito no nosso gol, imagina o que fará com ele dentro do Gigante (irônia total).

Vamos manter a média de um título internacional por ano!