quinta-feira, abril 14, 2011

Esperanças renovadas

Tardiamente Celso Roth foi demitido. Era para ter saído logo após o fracasso no Mundial. A derrota para o Jaguares, na semana passada pela LA foi a gota d'água, quase quatro meses além de quando a demissão deveria ter sido homologada.

Um ídolo voltou.

Falcão assumiu o time, iniciou os trabalhos nesta semana e as esperanças da torcida se renovaram. Falcão é quase uma unanimidade entre os colorados. Seu passado faz com que o carinho e a admiração dos torcedores de todas as gerações o tenham como o salvador da pátria, como o cara que nos dará o tri da Libertadores e o tetra do Brasileiro. Isso tudo é muito bom, mas ao mesmo tempo, confesso, tenho receio deste clima de oba oba.

O histórico de Falcão como técnico não é dos melhores. Quando comandou o Inter nos anos 90, ficou no razoável. Mas naquele tempo o time era outro, o grupo não tinha 50% da qualidade que temos hoje. Por isso convém salientar que o trabalho pode e será diferente.

Agora vai!

Falcão tem dado (poucas) pistas de que, ao contrário de Roth usará um time mais ofensivo, mais para a frente. Jogando com "séria alegria", deixando o time equilibrado do meio para a frente.

Neste momento, surgem esperanças, quase convicção que algumas nabas percam espaço no time, casos de Wilson Mathias e Zé Roberto. Nem vou falar do Nei pois o seu reserva imediato, o Daniel, é extremamente limitado. Mas e quem sabe, com um novo treinador, estes jogadores, caso tenham oportunidades começem a jogar mais? Ou se F5 resolver colocar estes jogadres tatica e tecnicamente em funções que possam render mais? Eu tenho esperanças. Eu não duvido de mais nada e, neste momento, tenho apenas um pensamento positivo. Mas isso me deixa nervoso ao mesmo tempo, pois como já disse linhas acima, tenho medo do oba oba.

A direção acertou ao esolher Falcão como técnico pois um ídolo dificilmente sofrerá duras críticas da torcida. Como tenho falado aos meus amigos, podemos estar tomando 200 do time Z do Mazembe dentro de casa que jamais terei coragem de vaiar Falcão. Simplesmente porque Falcão é o maior de todos. Um ídolo colorado como Falcão está para nascer, assim como um substituto para Pelé.

Então seguimos com esse pensamento, de que as coisas podem se encaixar, que veremos novamente um futebol bonito ser jogado, de não vermos mais o time com três volantes contra adversários ridículos, entre outros pontos sofridos com Roth e Fossati. Vamos neste embalo, no reencontro da Academia do Povo com o seu maior personagem.

E que assim seja!