quarta-feira, dezembro 08, 2010

Mundial FIFA

Hoje inicia-se a sétima edição do Campeonato Mundial de Clubes da FIFA (sexta consecutiva).

A ideia de uma competição mundial de clubes, se concretizou-se oficialmente em 2000 (ou 2005, levando em conta a regularidade do torneio), mas já existia há muito tempo.

Em 1955 a UEFA, partindo de experiências como a Mitropa e a Copa Latina, criou a Copa dos Campeões Europeus. Cinco anos depois, era disputada pela primeira vez a Taça Libertadores da América, já com o objetivo explícito de disputar um tira-teima com os europeus: a Copa Intercontinental, organizada conjuntamente pela UEFA e Conmebol.

A falta de interesse dos europeus por esta competição levou à sua extinção, em 1979. No ano seguinte, patrocinada por uma empresa automobolística, foi criada a Copa Toyota, disputada no Japão, envolvendo dos campeões da Europa e América do Sul.

No final do século XX, a FIFA decidiu organizar oficialmente um campeonato mundial. A primeira edição ocorreu no Brasil (Rio de Janeiro e São Paulo), em janeiro de 2000. O regulamento previa a participação dos seis campeões continentais, mais o campeão nacional do país sede e o campeão anterior da Copa Intercontinental. Mas objetivos políticos causaram mudanças nos participantes. Da Europa, África, Concacaf e Oceania vieram os campeões continentais de 1999, como deveria ser.

No Brasil, porém, para garantir a participação do Corinthians, foi escolhido como representante o campeão nacional de 1998 (o clube paulista venceria também o campeonato de 1999, e teria a vaga, de qualquer maneira, mas ela foi "conquistada" inicialmente de forma imoral). O campeão da Libertadores de 1999, Palmeiras, ficou de fora. Não agradava aos interesses comerciais da FIFA/Conmebol/CBF duas equipes paulistas e nenhuma carioca na competição. Assim, o Vasco da Gama, campeão de 1998, foi indicado como o representante da Conmebol.

O campeão da Copa Intercontinental de 1999 havia sido o Manchester United, já classificado como campeão da Copa da UEFA. O Palmeiras, vice-campeão, seria um terceiro brasileiro na competição. Assim, foi convidado o Real Madrid, campeão intercontinental em 1998. Da Ásia, veio o campeão da Recopa Asiática de 1998, e não o campeão da Copa dos Campeões de 1999.

Os clubes foram divididos em dois grupos de 4 clubes, classificando-se os primeiros colocados para a decisão do título, e os segundos para a decisão do 3º lugar. Os brasileiros foram para a final, e o Corinthians levou o título.

Em 2001, o Mundial seria disputado na Espanha, com 12 participantes. Europa, Ásia, Conmebol, Concacaf e África teriam dois representantes, a Oceania um representante, e o país-sede também teria uma vaga. Mas, com a falência da ISL, a FIFA cancelou a competição, anunciando para 2003 o retorno do campeonato mundial.

Entretanto, só em 2005 a competição voltaria a ser disputada, no Japão, com o apoio da Toyota, que desistiu de seu torneio para patrocinar o campeonato da FIFA. Participaram os 6 campeões continentais de 2005, o São Paulo foi o campeão.

Em 2006, o torneio foi disputado novamente no Japão, e com o mesmo regulamento. O Internacional bateu o Barcelona e ficou com o título.

Em 2007, novamente disputado no Japão, o país-sede passou a ter direito a um representante no Mundial. Porém, como o Urawa Red Diamonds, do Japão, venceu a Copa dos Campeões da Ásia, para evitar que o país tivesse dois representantes na competição, a vaga do país-sede foi preenchida pelo vice-campeão asiático, o Sepahan, do Irã. Pela primeira vez o título não ficou com uma equipe brasileira. O Milan levou a taça.

Em 2008, a situação de 2007 repetiu-se. O japonês Gamba Osaka venceu a Copa dos Campeões da Ásia, e o vice, Adelaide United, ficou com a vaga do país-sede. O Manchester United venceu a competição.

Em 2009 o torneio transferiu-se para os Emirados Árabes Unidos. O Barcelona bateu o Estudiantes, na prorrogação, e conquistou o título que havia perdido dois anos antes.

Agora, em 2010, o Brasil volta à competição. O Internacional, conquistando o título, manterá os 100% de aproveitamento dos brasileiros no Mundial, e colocará novamente os sulamericanos em vantagem em relação aos europeus, no número de títulos (4x3).