quinta-feira, maio 05, 2011

Em estado de choque

Foi a pior e mais dolorida derrota que pude testemunhar dentro do Beira-Rio. "Porto Alegrazo" ou "Beira-Riazo", apelidos dados pelos castelhanos à fatídica derrota de ontem retratam o que era a inferioridade técnica do adversário, mas que soube se aproveitar perfeitamente do momento "apagão" aqueles cinco minutos que deram o atestado de óbito ao Inter dentro da Libertardores 2011.

Acabou.

Me belisco toda hora para ver se é um pesadelo ou se é verdade mesmo.

É muito difícil conseguir escrever alguma coisa num momento deste. Dá raiva, tristeza, perplexidade. É como estar andando e, do nada, acabar o chão e começar a despencar num precipício. Sinceramente, não sei o que falar. Cornetear que o Nei isso, que o 10zinho aquilo, que Kléber, Bolivar, D'Ale e blá blá blá poderia ser o mais tradicional, até mesmo o mais sensato. Não vou fazer isso num primeiro momento, apesar de todos sabermos que é necessária uma mudança radical no elenco.

Quem é o culpado pela eliminação?

Eu diria que são todos. Falcão pegou o time no meio do caminho, mas também tem culpa. No entanto, a direção deveria ter sido menos arrogante e ter buscado mais contratações. Enfim, o momento agora é de juntar os cacos e buscar o tetra do Brasileirão. Brasileiro virou obrigação. E o futuro do Inter passa, obrigatoriamente pelos Gre-Nais. Vencer o Gauchão pode dar uma injeção de ânimo no time. É o que a torcida espera.

Ontem, quando voltávamos do Beira, o pessoal na van dizia estar contente pois o gfpa, Fluminense e Cruzeiro estavam fora também. Que se explodam os outros. Eu penso no Inter, caramba!

Antes de fechar o texto, mais uma vez peço desculpas mas está muito pesado, muito difícil falar alguma coisa.

E parabéns a torcida do Peñarol. Dói dizer isso, mas eu estava na superior, quase em cima da Popular e, mesmo no primeiro tempo, tava para ouvir a torcida dos caras fazer barulho.