terça-feira, maio 24, 2011

Inter e o futuro

Contem apenas com a SulA. Bom dia, pessoal. Essa afirmação pode soar pessimista, mas não é. Ou é, da perspectiva dos otimistas em demasia. Não estou fazendo terra arrasada, não estou desesperado, nada disso. Estou apenas sendo realista: se conseguirmos garantir uma vaga na SulA será uma grande vitória para esse time (e, para ser justo, talvez deva dizer também para esse técnico e dirigentes). Afirmo isso apenas para externar minha opinião, baseada na avaliação dos jogadores, dos primeiros sinais que Falcão tem dado (e que são péssimos) e dos comentários da diretoria. Há duas semanas eu defendi a permanência de Falcão, mas confesso não estar otimista. Porém, aprendi na vida que muitas coisas que começam mal podem terminar bem. Então, ainda vale esperar.

O futuro. Mas o assunto principal do meu post não é esse. A atitude da diretoria (tbm refletida nos jogadores) frente às cobranças da torcida e imprensa, sempre com desculpas e justificativas prontas, mostra um situação alarmante: nosso clube está se acostumando a se nivelar por baixo. Estamos deixando a atitude de vanguarda, a atitude de perfeccionistas, de ousadia, que - mesmo com os inevitáveis erros - nos levou aos 100 mil sócios e aos títulos. Primeiro, tivemos a saída - ainda não explicada e nem sequer comentada - de AOD, cujo papel era profissionalizar a gestão do clube, planejar uma crescimento sustentável, enfim, dar um passo crucial para nosso futuro. Vejam que não estou defendendo AOD: não sei se ele é o mocinho nessa história ou não, mas quero saber as razões de sua saída e QUEM vai substituí-lo na função.

Em segundo lugar, o Inter está voltando a ter no Grêmio o parâmetro de seu sucesso. Isto é suicídio! Não só pela situação do co-irmão, mas pelo simples fato de que ninguém sabe as condições internas dos outros e, portanto, não pode julgá-los. O que podemos saber é da nossa situação interna, avaliar, melhorar. O parâmetro do Inter também não deve ser SPFC, MSI, Barcelona etc. Nosso parâmetro deve ser nós mesmos! Temos que olhar para o que já conquistamos, avaliar o que estava certo e manter, avaliar o que estava errado e mudar. Vejam bem: o vento do dinheiro está "virando" para o Brasil e os clubes de massa vão começar a ter grana saindo pelo ladrão. Eles vão ter grandes elencos e, cedo ou tarde, vão se profissionalizar também. E o que Inter vai fazer? Esperar?! Vai ser atropelado.

Um grande campeão tem duas virtudes: a mais importante, é o sacrifício, a dedicação, maior que os demais. Mas há uma segunda virtude tão importante quanto: um campeão não fica se gabando ou se escorando nos seus títulos passados. Ele está sempre "com fome". Pra mim, o Inter fez muito bem em retirar as estrelas do uniforme. Sempre achei aquilo coisa de gente complexada, de time pequeno que precisa se afirmar pra ser reconhecido. Mas nosso clube ainda canta aos quatro ventos o mantra "o campeão de tudo", como se isso fosse ganhar jogo (vide Mazembe, Peñarol, LDU...). Exatamente o drama vivido pelo Grêmio com a tal "imortalidade". Queremos isso? Eu não. Por mim, tirando o corredor do vestiário visitante e o museu, nenhum outro lugar no estádio teria tais afirmações. A torcida, essa sim, tem o direito de fazer isso. O clube, não. Ao fazer isso, criamos uma arrogância, uma empáfia que só vai nos afundar no futuro.

Convergência. Sei que este não é o site do Convergência. Mas aqui há vários membros e é um espaço importante para esse movimento. Pois bem, quero fazer uma cobrança pública a vocês: vocês foram eleitos e tiveram grande apoio da torcida, por representarem a vontade de maior profissionalismo, transparência e, principalmente, renovação no clube. Porém, após entrar no clube, minha impressão é que vocês tem silenciado cada vez mais, estão calados, não nos informam de nada, não interagem. Espero e torço, sinceramente, para que vocês não se mostrem politiqueiros, como tantos que só aparecem na época da eleição. Quero sinceramente acreditar que não é isso. Aguardo especialmente de vocês um pronunciamento sobre a questão AOD, além da gestão do estádio e mais questões. Cadê aquele movimento todo (debates, palestras etc.), que faziam antes das eleições, pessoal?